De Dublin a Galway – Roadtrip pela Irlanda parte I

10.08.2016

Quem aí está preparado para embarcar nessa comigo levanta a mão \o/
DSC00072

Isso não é foto de revista não tá? Fui euzinho o fotógrafo! Rs

Montar essa roadtrip sem dúvida alguma foi a melhor decisão que tomei esse ano! Nas hooooras que gastei montando essa e outras Roadtrip pela Irlanda, eu ficava em casa delirando, imaginando os lugares que passaríamos e o que veríamos. Fui cheio de expectativa, o que é um horror pois as vezes você acaba se decepcionando… Tolo de mim que por um momento deixei isso passar na minha cabeça. Tolo mesmo! Mas de uma coisa eu estava certo, eu não sabia era de naaaaaaaaada! Rs
Se você esta programando uma viagem de carro pela Irlanda, não deixe de entrar nesse link e ficar por dentro de todas as regras de trânsito, pedágios e estacionamentos do país.
Eu particularmente adoro fazer viagens de carro porque além de fazer seu próprio horário e roteiro, acredito ser melhor forma de conhecer lugares novos. Pude ter um gostinho na África do Sul quando fizemos a roadtrip de Kysna a Cape Town, e agora a Irlanda veio para me fazer ter certeza absoluta mesmo! Rs
A Irlanda é um país super pequeno e é possível atravessa-lo em questão de 5 horas! Isso partindo de Dublin, claro. No total rodamos 1850 km e fomos para todos os lados. Foi incrivelmente lindo, especial e passamos por lugares cinematográficos!!!! Coisas da Irlanda! Rs
Captura de Tela 2016-08-09 às 11.58.56 PM.jpg
Sai do Brasil com 2 road trips programadas para os nossos 10 dias e algumas em stand by, no caso de sobrar tempo e disposição. Rs. Uma pra Galway e outra pra Belfast. A de Galway com pernoite em um hostel e a de Belfast, bate e volta. Apenas duas por conta do cansaço que já era esperado e também para passarmos mais tempo com nosso casal barrigudo! <3
Na pratica tudo saiu um pouco diferente, mas foi infinitamente melhor do que o programado!
Pagamos EUR 135, algo em torno de 500 reais, por 7 dias de aluguel. Na hora de retirar o carro tiveram mais algumas taxas, além de um seguro estendido para a Irlanda do Norte. Tudo deu em torno de 650,00 reais. É bom lembrar que a direção é no lado contrario a nossa e as estradas são mão inglesa. Já da pra imaginar as barbeiragens né? Rs  As estradas são ótimas e é possível chegar no seu destino por inúmeras e diferentes rotas. Uma mais incrível que a outra. Estradas de mão dupla, estreitas, as vezes não pavimentada e com limite de velocidade a 80 km/h! Insano! Rs
DSC00152.jpg

Dê um limite de velocidade para essa estrada nos comentários…  Duvido que alguém ache normal 80 km/h! rs

Programamos de sair de Dubin ás 4 da manhã para nossa primeira roadtrip com um destino: Kylemore Abbey, um castelo de contos de fada no Distrito de Connemara, no oeste da Irlanda. Como eu já disse, eu amo viajar de carro porque podemos parar quando quisermos, e lógico que fizemos MUITO isso! Rs
Fomos parando em vários lugares, principalmente aqueles que víamos algo parecido com castelos! Rs
O primeiro deles foi em Athlone, uma micro cidade ultra charmosa, mas por conta do horário estava tudo fechado e inclusive algumas pessoas indo pra casa beeeeem alteradas! hahaha

Sim, isso também é real! Juro!

Outra parada que não estava no roteiro, o Cong Abbey, ruínas de uma igreja histórica, datada do século 13. Suas ruínas chamaram nossa atenção e logo descemos para descobrir o que era aquilo.
DSC09942

E a curiosidade de passar por uma porta dessa e não entrar? Rs

Achávamos que era um castelo, mas só depois vimos que se tratava de um cemitério e que possivelmente aquela ruína teria sido uma igreja. Depois lendo sobre, descobri que aquela arquitetura que havia chamado nossa atenção é tida como exemplo da arquitetura eclesiástica medieval na Irlanda. Básico! Rs – Cliquem na foto para ver essa belezinha em tamanho real. Rs
Seguimos nossa viagem para o castelo, parando em alguns lugares que nos chamavam atenção, ou seja, TUDO! Rs. Síndrome do turista abobado e com dedo nervoso, sabem?
DSC09966

E tem como não parar?

Cerca de 5 horas depois que havíamos saído de casa, estávamos finalmente chegando no Kylemore Abbey. A medida que vamos chegando, vai ficando cada vez mais difícil manter a boca fechada e ficava impossível não ficar repetindo que aquele lugar era maravilhoso!
DSC09984

Essa vista é do estacionamento! E não tem nenhum tipo de edição!!!! NADA!

Chegamos logo que estava abrindo (9h00 da manhã) e não tinha quase ninguém, fazendo o nosso passeio ser ainda mais espetacular!
O castelo foi construído por Mitchell e Margaret Henry entre 1867 e 1871, para servir de moradia. Imagina dormir nesse castelo e acordar com essa vista: – Naquele esquema: clica para ampliar. Rs
Pena que eles não conseguiram aproveitar muito a vida naquela maravilha. Margaret morreu 4 anos depois que o castelo foi construído, em uma viagem ao Egito. Triste né?
Mitchell que era um homem muito apaixonado, após perder sua amada mandou construir uma igreja e um mausoléu em sua homenagem. Uma catedral gótica em miniatura, para ser mais exato!
Hoje o castelo é lar de uma comunidade de freiras da Ordem Beneditina que foi pra lá em 1920 após a sua abadia em Ypres, na Bélgica, ser destruída na Primeira Guerra Mundial. Por conta disso, não é possível visitar todos os cômodos. Visitamos os jardins e paramos para almoçar lá mesmo.
DSC00047

O quiche deles é maravilhoso!!!! A torta de maça achei boa mas nada comparada a de Amsterdam!

Ao todo gastamos umas  3 horas visitando tudo. Eu prometo fazer um post só sobre Kylemore e seus quase 53 mil metros quadrados, tá? 😀  – O ingresso custa EUR 13, mas se você for estudante e possuir carteirinha paga apenas EUR 9.
Saímos de Kylemore extasiados, com a sensação de que não haveria nada que nos deixasse tão maravilhado como aquele lugar! Seguimos pela costa para conhecer as praias irlandesas e então ir para o Cliffs Of Moher. Dirigi por mais uma hora, por pequenas cidades liiiiindas, naquela estrada estreeeeeita com limite de velocidade altiiiiissimo para aquele tipo de estrada! Sem contar que por lá também passavam carros, ônibus e até tratores. Sim!!!! Não bastasse a direção ser do lado contrario, a mão inglesa, o cambio manual, a rua estreia, o limite de velocidade alto, tinha que passar do lado de um ônibus em alta velocidade! As vezes eu passava até fechando os olhos!!! hahahaha. Sério, dá MUITA aflição! Faz parte né?! Rs
Do nada começa a surgir, lá longe, algo que lembra uma praia. A medida que vamos nos aproximando, a agua que de longe era azul começa a se tornar cristalina. E bota cristalina nisso! Sério. Acho que eu só tinha visto águas assim nas Bahamas.
DCIM100GOPROGOPR6322.

Inacreditável né?

Ficava me perguntando se eu estava mesmo na Irlanda, ou se aquilo era miragem! Passamos por Mannin Bay, e então chegamos no paraíso chamado Dog’s Bay. Praias de revista de viagem!
Já na entrada de Dog’s Bay fizemos amizade com um Golden Retiver que estava indo embora com seu dono depois de correr alguns km por ali. Nem preciso dizer que eu já estava procurando o diretor daquela cena de cinema, né? Rs
Não chegamos nem perto do mar, pois o frio e o vento não deixavam a coragem surgir. Só pra lembrar, estávamos em pleno VERÃO irlandês!!! Rs

DCIM100GOPROGOPR6349.

Mais 3 horas de estrada nos aguardava para chegarmos na nossa última parada do dia: Cliffs Of Moher. Passamos por vários lugares irados e inclusive pela cidade que iramos dormir, Galway. Dirigi, comemos, rimos, ouvimos música, paramos, rimos mais uma vez, a Cris dormiu, acordou, dormiu de novo e então estávamos chegando. Rs
Chegamos lá por volta das 18:30 e faltava só mais uma hora pro parque fechar. Na verdade o parque não, mas sim as lojas e o Centro de Interpretação, onde tem um restaurante panorâmico e uma cafeteria. O Cliffs em si não fecha. O ingresso de EUR 6 inclui o estacionamento, acesso ao centro de interpretação e aos caminhos. Eles cobram ingresso por pessoa no carro. Eu já tinha lido sobre isso, então antes de entrar no estacionamento Cris desceu e só eu paguei. Sem problema algum. O ingresso é interessante para aqueles que fazem questão de entrar no centro de Interpretação, que querem comer algo lá e para o estacionamento, lógico. Para caminhar pelo Cliffs não é necessário ingresso.  Então se você estiver em um carro com 5 pessoas, já é uma graninha que economiza. #DicaDoDoug
Subimos correndo pois achamos que ia fechar e porque o tempo estava começando a mudar.
DSC00141

wooooooooooow!

Quando finalmente subimos aquela escadaria imensa e nos deparamos com aquela vista, todo o cansaço se tornou um grande e longo suspiro de maravilhado! Sabe aquela sensação que falei de que nada mais ia nos deixar maravilhado como Kylemore? Pois é… Rs
Até hoje eu não consigo descrever o que foi estar naquele lugar. É de uma beleza, magnitude e imponência tão grande que me deixam sem ar só em pensar! Ao entrar, pegamos logo o caminho da esquerda onde logo encontramos uma placa indicando o “fim do caminho”.
DCIM100GOPROGOPR6427.
Até ali o caminho está cercado e não oferece risco nenhum até mesmo para as crianças (na foto eu to sentado na mureta, na plataforma do mirante).  Ajudamos uma senhora de uns 60 anos a subir e fomos seguindo o fluxo no “caminho proibido”…
DCIM100GOPROGOPR6364.

Ainda fico sem ar em ver essas fotos!!!!

Um milhão de pessoas visitam o Cliffs anualmente e 1/3 dessas pessoas fazem isso. O caminho de grama já está desgastado e faz uma espécie de trilha a ser seguida. Nesse momento o precipício conversa diretamente contigo! A trilha é aberta, de terra e em alguns pontos chega bem na beirada dos penhascos… Então se estiver ventando muito, chovendo, se você tem vertigem, medo de altura ou é tão leve que o vento possa te levar é melhor nem chegar perto.
DSC00135
Alguns acidentes já aconteceram lá, então é melhor não brincar né? Cuidado sempre!!!! O tempo estava nublado e eu jurava que ia chover, mas acho que babamos tanto que o Cliffs mandou um ventinho pra espantar aquelas nuvens! Rs Um cenário digno de filme de ação! Tempo nublado, ventando bastante, o Cliffs quase vazio… Para alguns sinistro, pra outros belo e pra mim mágico!
DSC00102
Ficamos um tempão andando por lá e tirando váááárias fotos. As vezes arriscávamos um pouco e íamos mais na beirada, redobrando o cuidado pois estava ventando muito e qualquer bobeada bye bye. São 8 km de precipícios que alcançam quase 200 metros de altura! É muito alto, muito gigante, muitas pedras, muito inacreditável… Tudo muito! Rs
DCIM100GOPROGOPR6421.
Ele nos faz perceber o quanto somos pequenos diante da força da natureza! Imensos paredões de pedra formados a milhões de anos atras e que até hoje vêm sendo esculpidos pelos ventos e pelo mar! É insano!  Não fomos até o final, mas caminhamos bastante. Voltamos e fomos até a Torre O’Brien, que dá pra entrar mas já estava fechada.
DSC00136
Mas depois do que tínhamos visto, a torre não encheu nossos olhos! Rs Nessa brincadeira gastamos umas 2 horas para ir e voltar, caminhando sem pressas e parando para fazer fotos.
Mesmo com o dia chuvoso, foi um dos lugares mais bonitos que já vi na minha vida!!! Saí de lá agradecendo e com o coração ainda mais apaixonado pela Irlanda!
 Ahhhh, o Cliffs of Moher já foi cenário para filmes famosos como Harry Potter & the Half Blood Prince (2009) e Ryan’s Daughter (1970).
Entramos no carro, fizemos um sanduíche (tínhamos de tudo um pouco no carro) e comemos em um completo e ensurdecedor silêncio! Depois de alguns minutos, olhamos um pro outro e falamos: CACETE, O QUE FOI ISSO? Rs. Sério gente, o Cliffs of Moher é inexplicável!!!
FullSizeRender.jpg
Agora o cansaço e o sono começavam a bater mas não podíamos amolecer. Tínhamos que voltar pra Galway, a 1h30 de viagem. Passamos por várias outras cidadezinhas entre elas Doolin, onde deveríamos ter pernoitado. Fica super próximo do Cliffs e facilitaria a vida, principalmente depois da maratona que estávamos vindo. Rs Além do mais no outro dia poderíamos fazer o passeio de barco pelo Cliffs, que parte de Doolin. Custa entre 10 e 15 euros e dura 1 hora. Nele você vê estes gigantes desde baixo. Isa falou que esse passeio de barco é enjoativo, porém alucinante!!! #FicaParaAPróxima #DicaDoDoug
DSC00157

E no caminho… Paisagens como essa para te fazer suspirar!

Voltamos para Galway, onde ficamos no charmoso, estiloso e acolhedor Galway City Hostel, dica que li no PartiuMundo.com.
Pagamos EUR 25,00 por pessoa, com café da manhã, para dormir em um quarto misto com outras 7 pessoas. Foi a primeira vez que fiquei em quarto compartilhado e confesso que achei super tranquilo! O quarto era grande, com roupa de cama limpinhas e um colchão divino! Tem lugar pra todo mundo guardar seus pertences pessoais com segurança. Mas não esqueça de levar seu próprio cadeado, ok?  Tomadas? Relaxa! Tem uma pra cada cama! #BemBolado. Os banheiros também são grandes, com espaço extra suficiente para se trocar e um chuveiro daqueles que faz você ter vontade de dormir ali sabe? Rs
IMG_8142

Tirei escondido! Rs

Tudo simples, mas novinho em folha e super clean! O hostel é super bem localizado, ao lado de vários bares, restaurantes e pubs! Uma delicia! Pena termos chegado tão tarde e tão cansados. Não podendo aproveitar nada do que a cidade nos oferecia. Isso eu também mudaria. Ficaria pelo menos 2 noites em Galway! O café da manhã também segue a linha do hostel, simples, porém impecável. Pães, queijo, presunto, suco, chá, café, e leite fazem parte dessa mesa. Além disso, há 2 iMacs disponíveis, com impressão gratuita e o wifi funciona super bem em todos os cômodos. Você já ouviu dizer que os irlandeses são as pessoas mais confiáveis que existem? Pois bem… No hostel não é diferente. Se quiser uma água é só pegar na geladeira, disponível 24 horas,  e “pagar para o porco”. Rs. O mesmo é para louça. Não te faz de doido! Não precisamos lavar as nossas, pois um funcionário do hostel insistiu para que deixássemos com ele, que já estava preparando mais alguns pães para o café… Mais uma das #CoisasDaIrlanda
Não ficamos muito nas áreas comuns, até porque não tivemos tempo pra isso, mas no café da manhã vimos que a vida por lá é bem animada e friendly. Conhecemos uma brasileira que esta morando lá para fazer intercâmbio e me falou que esta AMANDO viver lá!
Era por volta de 9 da manhã quando seguimos viagem voltando para Dublin. Aí é que o roteiro tomou a maior mudança. Voltamos passando em alguns lugares que estavam na lista em stand by e outros que foram sendo descobertos ao longo do caminho mesmo. Como a cidade de Birr.

Uma cidadezinha que parece ter saído da mesma revista que Dog’s Bay, sendo tudo em miniatura, exceto o castelo. E que castelo! Exatamente no meio da pequena cidade, o castelo de Birr rouba a cena! Tentamos entrar, mas lá só é possível fazer visita guiada e já não tinha mais ingresso para aquela manhã! 🙁

DSC00175.jpg

Devido as mudanças climáticas, a foto na frente do castelo foi cancelada! hahaha

O tour dura 45 minutos e que custa EUR 18,00. Pelas fotos no site parece ser fabuloso! 
Antes de seguirmos viagem, paramos em uma lojinha de estrada para pedir água. Na Irlanda a água da torneira pode ser bebida e caso você tenha sua garrafa, sinta-se a vontade para entrar em qualquer estabelecimento e pedir para alguém enche-la. Foi o que fiz. Entrei em uma loja que vendia de roupa a comida e pedi para uma senhorinha de cabelos brancos como neve para que me fizesse essa gentileza. Ela atendeu meu pedido enquanto eu trocava uma idéia com a outra senhorinha que ali estava. Ela me perguntou se eu achava aqueles pães que estavam expostos bonitos. Respondi que sim e então perguntei quais os sabores deles, pois não eram iguais. Ela me respondeu e colocou alguns em uma sacola. Até ai tudo certo. Quando a primeira senhora voltou, com minha água, essa que eu estava conversando colocou a sacola CHEIA de pães na minha mão e disse: Leve para você comer! Eu totalmente sem jeito agradeci e disse que não podia aceitar, que não tinha dinheiro ali comigo e que estava apenas com uma amiga no carro, que não era necessário tantos pães. Ela então franziu a testa e me respondeu: “É um presente pra você! O valor é você experimentar esses pães que fiz com minhas mãos! Esse será o melhor pagamento para mim!”. Com o coração explodindo de fofurice, peguei minha água e a sacola de pães, agradeci um milhão de vezes e fui embora. Chegando no carro, abrimos a sacola e descobrimos que ela tinha colocado 3 gigantescos pães, um ao leite, um com chia e outro com uvas passas! #CoisasdaIrlanda!
Dirigi por mais uma hora para chegarmos em um dos lugares que eu tinha esperado tanto para conhecer, Rock of Cashel. Nesse momento aqueles que como eu são fãs de Game of Thrones vão a loucura!!!! Sabe porque?
DCIM100GOPROGOPR6503.

Reconhecem esse cenário?

Rock of Cashel é nada mais nada menos que o Casterly Rock, na série, o castelo ancestral sede da Casa Lannister e centro do poder do oeste. Mas antes de embarcar na viagem Game Of Thrones fomos almoçar, pois já estávamos desmaiando de fome. Rs
Almoçamos no Rock house, ali aos arredores do castelo mesmo. Comida deliciosa e sobremesa divina. Tudo seguido de um atendimento sem igual! Almoço rolando as mil maravilhas e então começa a cair O dilúvio! #CoisasDaIrlanda35  rs
E não parou mais. Tivemos que visitar o castelo com uma chuvinha chata que ficava alternando entre forte e fortíssima! Rs :/
De toda forma, o castelo é fabuloso e tem partes que estão perfeitamente preservadas! É uma viagem nos séculos!!!! O mais antigo e grandioso edifício em Cashel é a torre redonda dali, que se eleva a 28 metros de altura e é datada de 1100!!!
DSC00199
A Capela do Rei Cormac é outro lugar impressionante. De 1134, é  lindíssima e super sofisticada!!!
DCIM100GOPROGOPR6477.

Impressionante né? Eu falei…

DCIM100GOPROGOPR6488.

Sei nem o que dizer…

Mesmo com chuva foi SENSACIONAL! Mais um ponto pra Irlanda! Rs
A chuva nos acompanhou até a cidade de Kilkenny, a 1h de Cashel. Essa que já foi a capital medieval da Irlanda, fato esse que atrai visitantes para cidade.  Reparem na mudança de tempo… Como é que é? #CoisasdaIrlanda Rs
A cidade é muito charmosa e ainda possui muito a essência medieval, seja por suas ruas estreitas,  construções com fachadas de madeiras, igrejas góticas ou por seu castelo/fortaleza com seus imensos jardins abertos ao público bem no meio da cidade…
Essa cidade deve ser parada obrigatória quando você for para a Irlanda!
DSC00250

Até hoje não sei dizer qual é o mais bonito. Se é que dá pra classificar!

Caminhando sem rumo pela cidade encontramos a St. Mary’s Cathedral, uma catedral gótica incrivelmente linda!!!!
Para fechar com chave de ouro, passamos no foodworks para tomar aquele cafezinho esperto e então seguimos nossa viagem de retorno até Dublin, percorrendo mais 1h30 naquela estrada pra lá de tranquila, na companhia da chuva que alternou com uns raios de sol, criando um espetacular arco íris… Mais uma da série #CoisasDaIrlanda! Rs
DSC00268
Cansaram? Rs Se apaixonaram? Falei que a Irlanda era incrível né? To aqui com os olhos marejados de saudade e com o coração cheio de felicidade de poder estar compartilhando isso com vocês! Se tiverem a oportunidade de fazer uma viagem como essa, não deixem ela escapar! Tenho absoluta certeza que vocês vão AMAR e se APAIXONAR, assim como esse bobão que vos escreve!
Um beijo gigante, direto da cidade Olímpica! Rs
Doug Pelo Mundo.

 

Tags relacionadas:

1 dia de carro pela irlanda, 1 dia na irlanda, agua cristalina, alugando carro em dublin, alugando carro na europa, Amigos, Apaixonado pela irlanda, athlone, bahamas, belfast, birr, blog, bom e barato, Brazil, café da tarde, cafe da manha, capital medieval da Irlanda, castelo de birr, Casterly Roch, Célia Tur, cemiterio, cidade medieval, cidades irlandesas, cliffs of moher, condados, cong abbey, connemara, costa da irlanda, Descontos, destinos, dicas, dicas de viagens, direção na irlanda, dirigindo, dirigindo na irlanda, dog's bay, doolin, Doug Pelo Mundo, dublin, estacionamento, foodworks, galway, galway city hostel, game of thrones, got, Harry Potter, hotéis, Hotel, igrejas medievais, imponencia, Ingressos, ireland, irlanda, irlanda de carro, irlanda do norte, Kilkenny, kylemore abbey, Lannister, locações, lojas, lugares, mannin bay, mao inglesa, medieval, Musica, onde ficar, partiu mundo, passeios, praia na irlanda, praias, praias irlandesas, preço, regras de transito, restaurantes, roadtrip, rock of cashel, ruas estreitas, st. mary's cathedral, torre o'brien, Turismo, viagem, viagem no tempo, viagens, viajando de carro, viajando de carro pela europa, voltando de carro

  1. Olana

    Amei!