Subindo o Monte Sinai, o monte onde Moisés teria recebido a tábua dos 10 mandamentos

28.11.2018

O Monte Sinai (ou Mount St Catherine) é o ponto mais alto do Egito e um dos passeios mais famoso da região. Segundo a Bíblia, foi lá que Moisés falou com Deus e recebeu os 10 mandamentos e de lá Moisés partiu em direção a terra Santa abrindo o mar vermelho e salvando os judeus da escravidão. O Monte sinai é também um ponto de encontro entre as religiões cristã, judaica e islâmica, já que as três acreditam no profeta.

Bem vindos ao Monte Sinai

SINAI E O MONTE SINAI

Antes de conhecer eu achava que o Sinai e o Monte Sinai eram a mesma coisa, mas não são e eu vou explicar agora pra vocês a diferença entre eles.

O Sinai é uma região (uma península) que fica entre o golfo de Suez e o golfo de Aqaba. Essa península é caracterizada por uma cadeia montanhosa (o Sinai) que por sua vez já foi palco de tantos conflitos territoriais que é até difícil de explicar.

Toda essa área demarcada em vermelho é a península do Sinai. Grande né?!

Bem, o Sinai teria sido território de Israel desde sempre, mas os Egípcios teriam se apossado dessa área em algum momento dessa história. Em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias, Israel retomou suas terras mas acabou devolvendo ao Egito em 1979, num controverso tratado de paz chamado de Camp David. Por esse motivo, Israelenses podem transitar livremente nas cidades do Sinai (Dahab, Sharm El-Sheikh, Nuweiba, Taba…), mas precisam de visto para o restante do Egito.  Doido né?!

Sadat, Carter e Begin em um momento histórico: o primeiro tratado de paz entre um país árabe e Israel é selado em uma cerimônia na Casa Branca

Os principais pontos do tratado eram o reconhecimento de ambos os países, o cessamento do estado de guerra que permanecia desde 1948, a completa retirada das forças armadas e civis de Israel da península do Sinai, a passagem livre dos navios israelenses através do canal de Suez e o reconhecimento do Estreito de Tiran e do Golfo de Aqaba como águas internacionais. 

Já o Monte Sinai (St. Catherine Mount) é um pico de granito (o ponto mais alto do Egito), que fica a 2.285 metros acima do nível do mar e está situado na Península do Sinai.

Como falei anteriormente, teria sido no alto do Monte Sinai que, segundo a bíblia e a tradição judaica, Moises teria recebido as Tabuas da Lei (Exo 31:18). Por essa razão, o Monte Sinai faz parte de roteiros religiosos de fiéis do mundo inteiro, que sonham em subir o Monte e ter seu contato especial com o cara lá de cima. <3

Antes de começar a falar sobre a subida e dar todas as dicas, quero dizer que é obrigatória a contratação de um guia. Não tente fazer a trilha sozinho! Fale com a recepção do seu hotel ou então me pergunte. Tenho amigos que tem uma agencia de turismo no Egito e podem dar TOTAL assistência na sua viagem.

SUBINDO O  MONTE SINAI

A subida até o topo do Monte Sinai não é das mais fáceis, logo seu condicionamento físico vai ser crucial nessa jornada.

Existem alguns tipos de trilhas e horários para subir o Monte Sinai. Há quem prefira subir durante o dia para assistir o por do sol de lá e descer, ou para dormir lá no topo e assistir o nascer do sol no outro dia; Também existem aqueles que sobem durante a noite, para fazer o caminho exatamente como Moisés teria feito e assistir o nascer do sol lá do topo; E por fim existem aqueles que sobem e descem no mesmo dia só pelo prazer de caminhar naquele lugar sagrado.

A maior parte da trilha é feita no sol, então esteja preparado.

Nós fizemos a subida até o topo durante o dia, ou seja, tinha um sol exclusivo para cada um de nós. São apenas 7 km de caminhada, mas o que torna a parada mais intensa sem dúvida alguma é o sol e o terreno, que era totalmente irregular e íngreme. Como falei anteriormente, seu condicionamento físico vai influenciar muito na sua subida, ainda mais adicionando esses fatores que mencionei acima.

Saca só o caminho como é e o sooooool torrando a cabeça.

Separaram nosso grupo em 3, para que mantivéssemos um ritmo acelerado de caminhada, fazendo algumas rápidas paradas nas sombras das “vendinhas”, que por sua vez oferecem água, refrigerante, chá ou snacks (tudo pago, claro) para que a caminhada seja o menos cansativa possível.

Uma das vendinhas que encontramos pelo caminho.

Com 3 horas e meia de caminhada, chegamos a casa de alguns beduínos que prepararam nosso jantar e nos levaram até o local que passaríamos a noite, bem ao pé da última escadaria.

Até a chegar lá, fizemos um pedaço da trilha ao entardecer/anoitecer e confesso a vocês que não sei como a galera que faz a trilha a noite aguenta.

Eu particularmente achei horrível caminhar lá a noite pois além do chão ser cheio de pedregulhos, degraus, buracos e curvas, pouco se aproveita do visual.

Agora estamos a uma altitude de 2.285 metros acima do nível do mar (o ponto mais alto do Egito), mas ainda temos que subir 750 degraus para alcançar o topo.  É mole ou quer mais? Mas pra quem já caminhou 4 horas, subir 750 degraus é nada né?! Rs

Alguns de nós se acomodaram na casa dos beduínos, mas eu catei meu colchão e cobertores e fiz uma cama entre as pedras, para passar a noite admirando o céu estreladíssimo e ter a minha conexão com aquele universo que parecia fácil, fácil de tocar com minhas próprias mãos.

SACA A QUANTIDADE DE ESTRELAAAAAAAS 😍

A noite foi um pouco fria, mas não muito. O que me impressionou mesmo foi a quantidade de estrelas cadentes que vi nessa madrugada. Inacreditavelmente especial!

Umas 2 horas antes do amanhecer, muita gente começou a chegar e se acomodar para assistir o nascer do sol, por isso logo levantei, tomei meu café e me joguei para o alto dos 750 degraus para escolher meu lugar e assistir de lá o nascer do astro Rei.

Uma vez no topo, era hora de arrumar um bom lugar para assistir aquele espetáculo que tanta gente estava a esperar.

A medida que o sol ia aparecendo, as montanhas iam ganhando outras cores, se misturando com a névoa do amanhecer e com as sombras provocadas pelos primeiros raios de sol, deixando todos ali maravilhados com tamanha perfeição… (para ver as fotos em melhor qualidade, basta clicar nelas 😊)

Não sei vocês, mas eu não resisto ao charme do sol e ele tem um efeito sobre mim que eu até acho que sofro algum processo de fotossíntese. Hahahah Não é normal!

Ah, e aqui no alto existe a pequena Capela da Santíssima Trindade, que foi construída em 1934 sobre as ruínas de uma igreja do século XV, onde acredita-se que foi o local onde Moisés recebeu as tábuas dos 10 mandamentos, mas que está fechada para visitas. E há também uma mesquita, que ainda é utilizada pelos beduínos e muçulmanos que visitam o topo da montanha.

Depois que o sol nasceu, era hora de tomar aqueeeele café da manhã (que esqueci de tirar foto. #perdão) e pausa para algumas fotos em galera, mostrando nossas lindas bandeiras!!!

Depois era hora de descer e como o velho ditado já diz: “pra baixo todo santo ajuda” levamos apenas aproximadamente 1h30 de caminhada para chegar no Monastério de Santa Catarina, que fica logo na entrada no Monte. (Mais sobre o monastério logo a baixo)

E lá vamos nós…

Ahhh Doug, eu não gosto de caminhar mas queria subir o monte Sinai, tem outra opção de subida?

Infelizmente (ou felizmente) sim. Há a opção de subir de camelo até determinado ponto.


Eu digo infelizmente porque sinto muita pena dos bichinhos, que são visivelmente maltratados, mas fica a seu critério. Também não sei quanto custa e onde exatamente eles deixam.

Eu particularmente morro de pena, logo prefiro gastar toda a sola do meu sapato e queimar no sol a usar um camelo para subir.

Por falar no Monastério de Santa Catarina…

É ali onde todos os tours começam e terminam. Infelizmente as horas reduzidas para visita não colaboraram para que pudéssemos visitar mas dizem ser incrível.

O monastério foi construído entre os anos 527 e 565 por ordem do imperador bizantino Justiniano I. Foi construído ao redor do local onde supostamente Moises teria visto o arbusto em chamas, na passagem Bíblica da “sarça ardente”. Também é um dos mosteiros cristãos mais antigos do mundo, sendo o mais antigo ainda utilizado para o fim que foi construído.

O local também é conhecido pela grande quantidade de manuscritos Iluministas que contém. Existem cerca de 5.000 volumes em diversos idiomas e esse acervo só perde para o do Vaticano. Doido né?!

O QUE LEVAR
  •  Agasalho porque a noite faz frio. Se não tiver (assim como eu), também existem algumas lojas antes da entrada que vendem alguns ponches por mais ou menos 50EGP.
  • Água (alguns litros) – Mas também há onde comprar. Um pouco mais caro que o normal, mas tem.
  • Snacks para comer pelo caminho
  • Boné
  • Protetor solar
  •  Sapato confortável
  • Papel higiênico (lembrando que não existe banheiro no Monte Sinai)
  • Sacola para colocar lixo
TOURS

Existem tours partindo de outras cidades do Sinai (Dahab, Sharm el-Sheikh, Nuweiba…) e eles partem geralmente as 23h para fazer a subida durante a noite e assistir o amanhecer lá do alto.

Os valores variam de acordo com a cidade e numero de pessoas, mas não esqueça da regra básica: NEGOCIAR!

Espero que vocês tenham gostado e que tenham uma experiência única quando fizerem essa caminhada.

Um beijo,

Doug Pelo Mundo

Tags relacionadas:

beach, blog de viagens, destinos, Doug Pelo Mundo, valores, viagens, youtube, Dica do Doug, Egito, Egypt, AIESEC Egypt, AIESEC Brasil, AIESEC, Doug Pelo Mundo no Egito, Backpacking Egypt, o que fazer no Egito, Brasileiros no Egito, Egito Antigo, ancient Egypt, história do Egito, O que visitar no Egito, Quanto tempo passar no Egito, Templos Egípcios, Egípcios, Temple, Egyptian Temples, Amon há, Deuses egípcios, Hieróglifos, Feluca, construções faraônicas, História do Egito Antigo, curiosidades sobre o Egito, O Egito como você nunca viu, prices, economizando no Egito, Dicas do Egito, Destino Egito, mochilão pelo Egito, Mar vermelho, Red Sea, Praias do Egito, Egito tem praia, beaches, Sinai, St. Catherine mount, St. Catherine Mountain, Monte Sinai, Subindo o monte Sinai, peregrinação, Dez mandamentos