Newgrange e Knowth, o complexo arqueológico irlandês mais antigo que as pirâmides

14.07.2020

As tumbas ou templo  de Newgrange e Knowth fazem parte do conjunto de Brú na Bóinne e ficam em Meath, a cerca de 50 km ao norte de Dublin. Comumente chamadas apenas de “Newgrange”, o complexo de tumbas são consideradas  o conjunto pré-histórico megalítico mais importante da Europa, por conta da sua arte e funções atribuídas ao longo do tempo. Newgrange é um lugar de grande importância mundial, patrimônio da UNESCO desde 1993 e um dos grandes pontos turísticos da Irlanda.

Construídas por volta de 3.200 a.C, são mais antigas que Stonehenge, na Inglaterra e as Pirâmides de Gizé, no Egito (já estive lá também – clique aqui para saber mais –  e foi surreal!), mas também impressiona pelo grande número de funções sociais, econômicas, religiosas e funerárias que desempenhou ao longo dos anos. O complexo servia de templo para comunidades agrícolas neolíticas que habitavam as terras ricas do Vale do Boyne.

Os complexos de Newgrange, Knowth e Dowth vistos do alto. Foto: Unesco World Heritage Site.

Alguns túmulos têm alinhamentos astronômicos claros, como o nascer do solstício de inverno em Newgrange. Todos os anos, no dia mais curto do ano (solstício de inverno) e que marca o início do inverno, um fenômeno incrível acontece dentro da tumba. Ao nascer do Sol, a luz solar entra por uma fresta de 19 metros, iluminando por poucos minutos o piso da câmara funerária até o fim. Apesar de podermos visitar Newgrange qualquer dia do ano, somente no dia 21 de dezembro podemos vivenciar esse fenômeno natural ao vivo, necessitando participar de um sorteio para compra de ingressos.

A visita somente acontece de forma guiada, sujeito a disponibilidade. Foi assim que descobri que não poderia visitar Newgrange, mas acabei descobrindo e conhecendo Knowth (como falei anteriormente o complexo é conhecido apenas como Newgrange, logo eu imaginei que fosse apenas uma tumba). Ambos possuem a mesma bilheteria e entrada, apenas os ônibus – sim, vamos de ônibus – são diferentes.

Knowth – Foto: Anthony Murphy

Comprado os bilhetes, seguimos para o embarque do ônibus que nos levaria até a tumba. Tudo muito organizado e bem sinalizado. Nosso guia se apresentou e foi muito simpático. Nas próximas quase duas horas caminhamos pelo sitio, entramos em uma tumba e ele nos explicou muito a respeito da reutilização da tumba ao longo dos anos.

Knowth evoluiu de um edifício funerário à centro de um povoado. É cercado por mais 18 satélites, sendo alguns deles interligados por túneis subterrâneos. Irado né?! Para entrar na maior delas – e única onde o tour nos leva – não é preciso agachar, apesar de ser bem baixo o teto logo na entrada.

Nas laterais podemos ver alguns túneis que segundo o guia nos levam a outras câmaras como a que ficaremos durante a visita. Ele também nos contou que o povoado que aqui viveu, separou essa estrutura em duas alas: a masculina e a feminina. Ambas são exatamente iguais mas não possuem interligação. Inclusive o acesso era diferenciado, acessado a partir de túneis subterrâneos. É mole ou quer mais?! hahaha

Em cima das grandes pedras, uma placa de granito recoberto por quartzo. O lugar mais próximo onde eles podem ter retirado este mineral está a 80 Km de Knowth! Alguns blocos dessa estrutura pesam até 4,5 toneladas e foram trazidos de uma pedreira que está a 4Km de distância. Agora imaginem isso tudo há 5 mil anos?! É mais um daqueles momentos em que perguntamos: “como eles fizeram isso?”

Até hoje não se sabe como pedras tão grandes e pesadas chegaram até o Vale do Boyne, em um período em que a roda e alavanca não existiam, sem ter conhecimento sobre metal e sem utilizar barro como cimento. Muitas delas ainda mantem as gravações de arte megalítica, por isso fique de olho!

Repare nas inscrições na pedra

O guia sugere que o povo que ali habitava era uma sociedade bem organizada, com grupos especializados responsáveis por diferentes aspectos da construção e que somente para transportar esses blocos seriam necessários 80 homens trabalhando por 45 dias! Louco né?! Desculpem minha empolgação mas eu acho isso DEMAIS!

DCIM101GOPROGOPR6865.

Beijo especial para minha cia de passeio ❤️ Isa, Chloe e Cris

Toda a frustração de não ter conseguido ingresso para visitar Newgrange foi recompensada. E com isso já vou deixar uma #DicaDoDoug pra vocês: cheguem cedo! Não são vendidos ingressos antecipados e o parque tem um número restrito de visitantes por dia. E se visitarem Newgrange, deixem aqui nos comentários como foi a experiência.

Para saber mais sobre o que fazer na Irlanda do Norte clique aqui, na República da Irlanda aqui e não esqueça de se inscrever no canal do youtube, clicando aqui.

Um beijo,

Doug Pelo Mundo.

 

Tags relacionadas:

blog de viagens, dicas de viagens, dublin, intercambio, ireland, irlanda do norte, Knowth, newgrange, o que fazer em Dublin, o que fazer na Irlanda, Patrimonio da UNESCO, road trip, UNESCO, Intercambio na Irlanda, Dica do Doug, Intercâmbio em Dublin, Brasileiros em Dublin, Brasileiros na Irlanda, dicas de roteiro, road trip pela Irlanda, Tumbas, Cork, o que visitar na Irlanda, dicas da Irlanda, roadtrip pela Irlanda, Brasil X Irlanda, Bru na Boinne, Meath, Co Meath, turismo na Irlanda, Vale do Boyne, Neolítico, período neolítico