O que fazer em Luxor, a capital dos templos?

A história do Egito antigo é divida em três Impérios: antigo, médio e novo império.

No Imperio antigo a capital era Memphis, próximo ao Cairo e foi durante esse período que construíram as pirâmides. O Império médio foi um período de crise e instabilidade. Já entre o final desse Império e inicio do novo, a capital foi transferida para Tebas (hoje Luxor) e todo o poder da civilização egípcia (enfraquecido durante o Império anterior) conquistou sua fase de maior esplendor e expansão das suas obras faraônicas.

Tá Doug e o que você quer dizer com isso?

Com isso eu quero dizer que: se você está procurando um lugar para entender melhor essa civilização e ver suas obras megalomaníacas, Luxor não pode ficar de fora do seu roteiro.

O nome Luxor significa “a cidade dos templos” e esse nome não é em vão.  Aqui encontramos o maior número de templos em todo o Egito, alguns deles em ótimo estado de conservação, nos fazendo ter uma boa ideia do que essa cidade era na antiguidade.

#DicaDoDoug: fique pelo menos 2 dias inteiros em Luxor, pois além da cidade ter muitos templos, é possível visita los durante a noite, no “Luxor by night”.

#DicaDoDoug 2: se estiver visitando a cidade durante o verão, esteja preparado para um calor infernal. Use sempre protetor solar e tenha água com você.

O que visitar em Luxor?
Karnak Temple

Construído na 11° dinastia, algo em torno de 1500 a.C, o templo de Karnak foi dedicado ao deus sol, Amon Há, e está geograficamente localizado de frente ao Vale dos Reis e das Rainhas, formando juntamente com esses templos uma pirâmide imaginaria. O templo de Karnak é onde o sol (vida) nasce , já o Vale dos Reis é onde o sol se põe, significando o ciclo da vida eterna.

Entrada de Karnak durante o Light and sounds

Faraós como Hatshepsut, Seti I, Ramses II e Ramses III interviram na sua construção e deixaram suas marcas no gigantesco templo de Karnak.

Logo na entrada uma avenida  que ligava Karnak até o templo de Luxor,  era totalmente ladeada por esfinges com cabeça de carneiro ao longo dos seus 3 quilômetros.

Logo em seguida o momento mais espetacular da visita (na minha opinião é claro): o Grande Salão Hipostilo que conta com mais de 5 mil metros quadrados e 134 gigantescas colunas, fazem qualquer ser humano se sentir minúsculo perto delas.

O templo é gigante e eu sugiro que você reserve pelo menos uma manhã para explorar tudo.

Paredes e colunas repletas de hieróglifos contando algumas batalhas, adorações, sacrifícios e oferendas para o Deus Sol.

Estátuas gigantes, esfinges, obeliscos e até uma piscina sagrada fazia parte do grande templo.

Piscina sagrada

A sala sagrada, onde aconteciam as oferendas para Amon Há, é o ponto exato onde o sol nasce. Iluminando a sala ao nascer.

A sala sagrada (em vermelho) era o local onde as oferendas eram oferecidas para o Deus Sol.

Luxor Temple

Menor em tamanho, mas tão importante quanto seu vizinho, o templo de Luxor tem influências de Ramsés II e Alexandre O grande.

 

A fachada do templo conta com um obelisco e 5 estatuas colossais de Ramsés. O projeto original contava com 6 estátuas do faraó e dois obeliscos, mas um dos obeliscos foi dado a França em 1834 e encontra-se hoje na praça da Concorde, em Paris.

O templo de Luxor é o único no mundo a ter características faraônicas, greco-romanas e islâmicas num só lugar.

Já na avenida das esfinges (que vai de Karnak até aqui), vemos uma estatua romana.

Logo ao entrar, a esquerda por cima do templo, a mesquita de Abu el-Haggag que remonta à época dos Fatimidas (996).

Essa janelinha aí a esquerda faz parte da mesquita. A entrada dela fica do lado de fora do templo.

Nas paredes hieróglifos nos contam um pouco mais sobre o processo de mumificação, sobre as oferendas e até mesmo sobre a reprodução humana a partir de óvulos e espermatozoides.

Mais um daqueles momentos que paramos e tentamos entender como um povo tão antigo conseguia estar tão à frente da sua espécie, sendo mestres na área da biologia, da medicina, engenharia, astronomia e várias tantas outras…

Já ao fundo do templo uma Igreja romana Cristã, vivendo em perfeita harmonia e paz com a mesquita e os muçulmanos há centenas de anos.

Os romanos transformaram parte do templo em uma capela e o que resta dela são apenas alguns afrescos bem deteriorados, algumas colunas e esse espaço reservado para a estatua do imperador de Roma.

Voo de balão

A primeira vez que voei de balão foi na Capadócia durante o inverno. Foi incrível mas dessa vez eu estava com as expectativas altíssimas, afinal de contas estaria sobrevoando Luxor e durante o nascer do Sol.

Para isso saímos do hotel de madrugada, atravessamos o Nilo de felluca e fomos até o local de partida dos balões. Balões de todas as cores tomavam forma…

Uma das melhores partes de fazer vôo de balão em Luxor é poder ver os templos do alto e ficar ainda mais chocado com o tamanho deles…

Mas a melhor de todas mesmo é quando o astro do vôo resolve dar as caras. O alto Rei, o Deus Amon-Ha (Deus Sol)… Ele pinta o céu, o Nilo, os balões e deixa tudo muito, mas muuuuito lindo:

West Bank

Luxor é divido em duas partes, levando o Rio Nilo como base: leste (East bank) e oeste (West Bank). Os egípcios antigos acreditavam que a margem leste (East Bank – onde o sol nasce) era reservada aos vivos, por isso a cidade e os templos eram construídos nesse lado. Já a margem oeste (West Bank – onde o sol se põe) era reservada aos mortos, por isso todas tumbas estão nessa aérea da cidade.

Aqui podemos encontrar 4 grandes e importantes lugares para visitação:

Hatshepsut Temple

Esse foi o templo da primeira mulher a governar o Egito antigo.

Hatshepsut era a primeira (entre 3) esposa do faraó, que tinha 3 filhos homens. Dois deles faleceram e o último, o mais novo, tinha apenas 5 anos quando seu pai veio a falecer, sendo incapaz reinar e deixando o caminho livre para Hatshepsut, que por sua vez mandou o enteado estudar fora de Luxor, matou as outras duas esposas e reinou, absoluta, por 18 anos.

Assim era o templo mortuário de Hatshepsut

Durante esse periodo, a primeira Faraó do Egito Antigo fez grandes alianças com os povos vizinhos e era adorada por eles. Mas não foi assim fácil conquistar o respeito de tantas pessoas que até o momento só haviam sido governadas por homens. O que Hatshepsut fez?  Ordenou que sempre fosse retratada como uma figura masculina, sem peitos, com barba e vestimentas de faraó. Loucura né?!

Hatshepsut exatamente como ela queria ser representada: sem seios, com vestimentas masculinas e barba.

Seu enteado retornou a Luxor quando completou 23 anos, buscando o trono que lhe era de direito. Para isso, matou sua madrasta e depredou tudo o que pôde, na tentativa de apagar a memória e o legado de Hatshepsut.

Hoje o templo consta com 2 gigantes terraços colunados, rampas e escadarias de acesso, além da sala sagrada para oferendas e rituais.

 

Vale dos Reis

É nada mais nada menos que o cemitério dos reis do Egito Antigo, mas esse lugar tem um post exclusivo que você pode estar conferindo clicando aqui.

Só para sentirem o gostinho do Vale dos Reis

Vale das Rainhas

Localizado a mais ou menos 5 km de distância do Vale dos Reis, o Vale das Rainhas como o próprio nome já diz é o lugar onde as rainhas egípcias descansam. Elas por sua vez dividem suas câmaras mortuárias com seus filhos (as) que não alcançaram o reinado.

Uma das tumbas que visitei tinha um bebê de mais ou menos 4 meses mumificado e em ótimo estado de conservação. Dizem que após um aborto espontâneo, a Rainha pediu para que mumificassem o feto e sepultasse na sua tumba. Louco né?

Aí algumas tumbas. Essa mureta que vemos na foto foi construída para facilitar o acesso as tumbas.

Aqui temos mais tumbas do que no Vale dos Reis, algo em torno de 70 mas apenas 4 estão abertas para visitação. Dessas 4, uma é paga a parte, da Rainha Nefertari, que foi construída em 1290 a.C. a mando de Ramsés II, para sua esposa predileta. Criaram um tour virtual pela tumba de Nefertari, que vocês podem se deliciar assistindo esse video:

As tumbas possuem o mesmo design de salas e corredores que as dos Reis, embora sejam numa escala muito menor.

Fotos são proibidas mas é bem comum o segurança se oferecer para tirar foto mediante a suborno.

Deir el-Medina

Esse foi um povoado fundado por Tutmosis I para hospedar os trabalhadores e artesãos do Egito antigo que trabalhavam nas tumbas dos faraós.

Vilarejo de Deir el-Medina

Por mais de 450 anos esse povoado foi habitado por construtores e decoradores das tumbas reais, que não só criavam a dos grandes Reis, mas as suas próprias tumbas também.

As tumbas em Deir el-Medina são bem menores que a dos Reis, mas não perdem nada no quesito decoração e beleza. Nas paredes, imagens da sua vida diária, com a família, no trabalho e também desenhos do que eles acreditavam ser a vida após a morte.

É lindo ver a diferença de valores deles para os reis e também a forma como estavam sempre juntos. Aqui as tumbas eram para a família e não só para um membro. Lindas e especiais.

E nunca esqueceram as pirâmides!!!!

 

Valores

Vamos a parte da facada! Rs

Os preços mudam anualmente e esses são os valores de 2018. Também quero dizer que essa viagem foi parte de um projeto com a AIESEC, chamado “Backpacking Egypt” onde todos os tickets estavam inclusos e se você quer mais informações sobre, leia esse post.

Ahhh, não esqueça sua carteira de estudante pois em quase todos os templos estudante tem desconto. Abaixo os valores de inteira e meia entrada em pounds Egípcios:

  • Karnak Temple: 120 EGP / 60 EGP
  • Luxor Temple: 100 EGP/ 50 EGP
  • Vôo de Balão: 
  • Hatshepsut: 80 EGP/40 EGP
  • Vale das Rainhas: 80 EGP/40 EGP – Adicional para a tumba de Nefertari (opcional) 1000 EGP
  • Al-Deir El-Medina: 80 EGP/40 EGP

Espero que vocês estejam se encantando com esse lugar incrível que é o Egito, pois estamos só começando. Rs

Um beijo,

Doug Pelo Mundo

 

Tags relacionadas:

blog de viagens, destinos, Doug Pelo Mundo, luxor, sol, valores, viagens, youtube, Dica do Doug, Egito, Egypt, Doug Pelo Mundo no Egito, Backpacking Egypt, Cairo, o que fazer no Egito, Brasileiros no Egito, River Nile, Rio Nilo, Egito Antigo, ancient Egypt, história do Egito, Memphis, Tebas, O que visitar no Egito, Quanto tempo passar no Egito, O que fazer em Luxor, Luxor a capital dos templos, Templos Egípcios, Egípcios, Temple, Egyptian Temples, Karnak Temple, Amon há, Deuses egípcios, Vale dos Reis, Vale das Rainhas, Valley of Kings, Valley of Queens, Ramses II, Seti, Hatshepsut, Esfinges, Light and Sounds, Luxor by Night, Karnak at Night, Luxor Temple, Templo de Luxor, Hieróglifos, Voando de balão em Luxor, Hot air balloon, Feluca, Habu Temple, Ramesseum Temple, West Bank, Hatshepsut Temple, primeira rainha do Egito, Faraó, época faraônica, construções faraônicas, História do Egito Antigo, curiosidades sobre o Egito, O Egito como você nunca viu, Nefertari, Deir El-Medina, Tumbas faraônicas, Tumbas, Tombs, prices, economizando no Egito, Dicas do Egito, Destino Egito, mochilão pelo Egito